counter Twelve Fingers: Biography of an Anarchist - Free Download Books
Hot Best Seller

Twelve Fingers: Biography of an Anarchist

Availability: Ready to download

From the internationally acclaimed author of A Samba for Sherlock, a delicious romp through the twentieth century with literature's most hapless assassin.It's the story of Dimitri Korozec, who is born with two extra index fingers, and whose schemes to eliminate all the world's tyrants are foiled by his extreme clumsiness. The tone is set with Dimitri's first assignment: to From the internationally acclaimed author of A Samba for Sherlock, a delicious romp through the twentieth century with literature's most hapless assassin.It's the story of Dimitri Korozec, who is born with two extra index fingers, and whose schemes to eliminate all the world's tyrants are foiled by his extreme clumsiness. The tone is set with Dimitri's first assignment: to assassinate Austria's Archduke Franz Ferdinand at Sarajevo. Unfortunately his fingers get stuck in his gun and someone else gets to start World War I. From there it's on to such places as Rio (where he introduces the Spanish Flu), Chicago (where his goof enables Bugs Moran to escape the St. Valentine's Day Massacre), and Miami (where he inadvertently saves FDR instead of killing him). Along the way, bit players -- Mata Hari, Marie Curie, Picasso, George Raft, Al Capone, and many more -- add to the uncanny coincidences and inspired zaniness.


Compare

From the internationally acclaimed author of A Samba for Sherlock, a delicious romp through the twentieth century with literature's most hapless assassin.It's the story of Dimitri Korozec, who is born with two extra index fingers, and whose schemes to eliminate all the world's tyrants are foiled by his extreme clumsiness. The tone is set with Dimitri's first assignment: to From the internationally acclaimed author of A Samba for Sherlock, a delicious romp through the twentieth century with literature's most hapless assassin.It's the story of Dimitri Korozec, who is born with two extra index fingers, and whose schemes to eliminate all the world's tyrants are foiled by his extreme clumsiness. The tone is set with Dimitri's first assignment: to assassinate Austria's Archduke Franz Ferdinand at Sarajevo. Unfortunately his fingers get stuck in his gun and someone else gets to start World War I. From there it's on to such places as Rio (where he introduces the Spanish Flu), Chicago (where his goof enables Bugs Moran to escape the St. Valentine's Day Massacre), and Miami (where he inadvertently saves FDR instead of killing him). Along the way, bit players -- Mata Hari, Marie Curie, Picasso, George Raft, Al Capone, and many more -- add to the uncanny coincidences and inspired zaniness.

30 review for Twelve Fingers: Biography of an Anarchist

  1. 4 out of 5

    Jim Fonseca

    [Edited and pictures added 10/2/2020] It’s hard to bring comedy to the theme of assassination but this novel pulls it off quite successfully. Our hero, or, more properly, anti-hero, is Dmitri, born in Serbia in the early 1900’s to a Brazilian émigré mother. He goes to “assassin school” (I guess the equivalent of community college back then). And did I mention he has six fingers on each hand? The comedy begins when he is one of a dozen assassins trying to take out Archduke Ferdinand in 1914. Dmitr [Edited and pictures added 10/2/2020] It’s hard to bring comedy to the theme of assassination but this novel pulls it off quite successfully. Our hero, or, more properly, anti-hero, is Dmitri, born in Serbia in the early 1900’s to a Brazilian émigré mother. He goes to “assassin school” (I guess the equivalent of community college back then). And did I mention he has six fingers on each hand? The comedy begins when he is one of a dozen assassins trying to take out Archduke Ferdinand in 1914. Dmitri’s sixth finger jams in the gun and he misses his opportunity to be the assassin. But there are plenty more chances for him to spoil the fun. He is implicated in responsibility for the arrest and eventual execution of the notorious beautiful spy, Mata Hari. He next lands in Chicago where he hooks up with Al Capone, and was almost, but not quite, involved in the St. Valentine’s Day massacre. Working for Al at the time of Al's "federal tax difficulties," he managed to bribe the wrong jury, sending Capone to jail and Dmitri fleeing for his life. In between his “known” involvements, Dmitri often drops off the map leading to speculation that he was involved in other assassinations and attempts. Perhaps he was involved in the assassination attempt on Franklin D. Roosevelt in Miami in 1933 in which five people were shot (historical fact). Now he ends up in Brazil, fulfilling a death-bed promise he made to his mother to return to her native country. True to his blundering ways, Dmitri ends up causing his first killing in trying to prevent the ousted dictator, Getulio Vargas, from committing suicide. The book is translated from the Portuguese. The author (b. 1938) is a successful Brazilian comedian and talk show host who has turned to writing fiction – pretty successfully I’d say. The book includes many real historical photos of the assassins and the assassinated. New York Times from Feb. 16, 1933 from nytimes.com The author from alchetron.com

  2. 4 out of 5

    GoldGato

    Dimitri is born with twelve fingers. And he is clumsy. There. That's the gist of the book. He stumbles through the 20th Century, all the while trying to do his best to assassinate some of the leaders of the time. Dimitri can speak any language and learn any trade, a chameleon. His goal is to assassinate a world leader, but his extra digits always seem to conspire against him. As he ages, we get to meet Mata Hari, Al Capone, Franklin Roosevelt and others, as he either befriends them or lines them Dimitri is born with twelve fingers. And he is clumsy. There. That's the gist of the book. He stumbles through the 20th Century, all the while trying to do his best to assassinate some of the leaders of the time. Dimitri can speak any language and learn any trade, a chameleon. His goal is to assassinate a world leader, but his extra digits always seem to conspire against him. As he ages, we get to meet Mata Hari, Al Capone, Franklin Roosevelt and others, as he either befriends them or lines them up for murder. While reading this, I thought of Zelig, the Woody Allen movie where an average joe gets inserted into famous moments of recent history. A narrator says, "When you look back on it, it was very strange." That's how I would describe this book. Very strange. "Etnashar esbaa! Etnashar esbaa!" which in Alexandrian Egyptian dialect means "twelve fingers". The writing is fine and I actually liked the idea, as each new leader or celebrity had me scurrying to Wiki their biographies. The Al Capone section and the St. Valentine's Day Massacre kept me interested, but the little dwarf who is the last of the Thuggee and who chases Dimitri all over the world, well he left me a bit bored. Overall, not a bad book but I had a difficult time staying fully interested once the famous folks left the pages. Book Season = Year Round (midgets on roller skates)

  3. 5 out of 5

    Lucas Mota

    NOTA: 4,4 Dimitri Borja Korozec tinha quinze anos de idade quando se juntou a um grupo anarquista com um só objetivo: exterminar tiranos ao redor do mundo. Embora tenha sido aceito, aos poucos se revela um desastrado profissional, podendo até receber a alcunha de pior assassino do mundo. Em uma narrativa cômica, Jô Soares revisita vários acontecimentos e personagens históricos pela ótica de Dimitri, que apesar de fictício exala o aroma de realidade que só os personagens bem escritos possuem. A form NOTA: 4,4 Dimitri Borja Korozec tinha quinze anos de idade quando se juntou a um grupo anarquista com um só objetivo: exterminar tiranos ao redor do mundo. Embora tenha sido aceito, aos poucos se revela um desastrado profissional, podendo até receber a alcunha de pior assassino do mundo. Em uma narrativa cômica, Jô Soares revisita vários acontecimentos e personagens históricos pela ótica de Dimitri, que apesar de fictício exala o aroma de realidade que só os personagens bem escritos possuem. A forma como o lado histórico se envolve com a ficção tem um sinergia como vi poucas vezes em ficções históricas. Além de tudo há um desafio a mais: a comédia. Seguramente um dos aspectos mais difíceis de se imprimir em um texto. O livro ganha por não se levar a sério. Embora o estilo da prosa busque em suas referências alguns dos grandes nomes da literatura brasileira, não abandona a simplicidade e muito menos compromete seu valor cômico. Jô Soares não só é bem sucedido em unir todos os elementos que escolheu para construir sua narrativa como também ganha a confiança do leitor. Eu, que nunca tinha lido nada dele, voltarei com certeza para ler suas outras obras. Cresci admirando o Jô Soares entrevistador, mas no final de minha leitura estava convencido de que sua grande obra prometia estar em sua prosa. Só o tempo para outras leituras dirá se esta minha impressão tem algum toque de realidade.

  4. 4 out of 5

    Rafael da Silva

    Mais uma vez Jô Soares nos brinda com uma história de suspense e mistério, uma história que a História se esqueceu de contar. Um personagem que se esconde nos meandros da História tradicional (e sem graça), desde a Bósnia, passando pela França, EUA até chegar no Brasil e quase evitar que a História (como nós conhecemos)se concretizasse. Um (quase) responsável por tudo que aconteceu no Velho e no Novo Mundo desde 1914 até 1954, 40 anos de aventuras e "fracassos". Uma história que faz a História fi Mais uma vez Jô Soares nos brinda com uma história de suspense e mistério, uma história que a História se esqueceu de contar. Um personagem que se esconde nos meandros da História tradicional (e sem graça), desde a Bósnia, passando pela França, EUA até chegar no Brasil e quase evitar que a História (como nós conhecemos)se concretizasse. Um (quase) responsável por tudo que aconteceu no Velho e no Novo Mundo desde 1914 até 1954, 40 anos de aventuras e "fracassos". Uma história que faz a História ficar mais pobre por não ter sido capaz de fazer as aventuras desse livro acontecerem.

  5. 5 out of 5

    Moureco

    Paródia de uma biografia, e de todo o género biográfico, este livro é mais divertido do que 'O Xangô de Baker Street'. As aventuras do personagem principal são do mais rocambolesco que se possa imaginar. Alguns trechos são de rir às lágrimas, mas o resultado final não excede as expectativas... Três estrelas, portanto. Paródia de uma biografia, e de todo o género biográfico, este livro é mais divertido do que 'O Xangô de Baker Street'. As aventuras do personagem principal são do mais rocambolesco que se possa imaginar. Alguns trechos são de rir às lágrimas, mas o resultado final não excede as expectativas... Três estrelas, portanto.

  6. 4 out of 5

    Fernando Niero

    É o "Zelig" em forma de livro. É o "Zelig" em forma de livro.

  7. 4 out of 5

    Mackenzie Melo

    Li há muito tempo e não lembro de muita coisa, mas a linha lembrança é que foi uma leitura fluida e gostosa.

  8. 4 out of 5

    Adriana Fogaça

    O Homem Que Matou Getúlio Vargas. Jô Soares. 1999. Sou mega suspeita para escrever qualquer coisa sofre os livros do Jô Soares. Sou completamente alucinada, apaixonada pelos textos deste comediante, entrevistador e autor. Posso até ter alguma ressalva a fazer ao entrevistador, agora o autor é simplesmente maravilhoso. A palavra chave deste livro é HILÁRIO, não há outra forma de classificar este texto. Fiquei parecendo uma louca, lendo e rindo ao mesmo tempo. Ainda bem que procurei ler dentro de ca O Homem Que Matou Getúlio Vargas. Jô Soares. 1999. Sou mega suspeita para escrever qualquer coisa sofre os livros do Jô Soares. Sou completamente alucinada, apaixonada pelos textos deste comediante, entrevistador e autor. Posso até ter alguma ressalva a fazer ao entrevistador, agora o autor é simplesmente maravilhoso. A palavra chave deste livro é HILÁRIO, não há outra forma de classificar este texto. Fiquei parecendo uma louca, lendo e rindo ao mesmo tempo. Ainda bem que procurei ler dentro de casa. Pelo menos, apenas a família sabe da minha sandices. Sou apaixonada pelo destrambelhado do Dimitri. RECOMENDADÍSSIMO!!! ADORO!!!

  9. 4 out of 5

    Trajano Lima

    Como alguém pode ter assassinado Getúlio Vargas, se ele suicidou-se? Esse livro do Jô Soares conta a estória de Dimitri, um anarquista nascido na Bósnia, de mãe brasileira. Uma estória original, e com o estilo peculiar do Jô de unir ficção e realidade, recheado de pornografia dispensável. Em alguns momentos o livro fica previsível, pois o Jô tem um certo padrão ao narrar as encrencas em que o Dimitri se mete. É um livro de leitura agradável, interessante e que vale a pena ser lido. Se você gosta Como alguém pode ter assassinado Getúlio Vargas, se ele suicidou-se? Esse livro do Jô Soares conta a estória de Dimitri, um anarquista nascido na Bósnia, de mãe brasileira. Uma estória original, e com o estilo peculiar do Jô de unir ficção e realidade, recheado de pornografia dispensável. Em alguns momentos o livro fica previsível, pois o Jô tem um certo padrão ao narrar as encrencas em que o Dimitri se mete. É um livro de leitura agradável, interessante e que vale a pena ser lido. Se você gosta de mistério, com uma boa dose de humor, recomendo esse livro. Boa leitura!

  10. 5 out of 5

    Gordana

    simpaticna i s puno humora ;)

  11. 5 out of 5

    Paul

    An enjoyable little adventure that peters out a tad towards the end.

  12. 4 out of 5

    Zahyra Mattar

    Absolutamente imprevisível e cômica, Jô Soares mais uma vez acerta a mão e coloca no mercado uma obra obrigatória na literatura moderna brasileira. Também é um excelente livro para quem ainda não tem o hábito de ler, mas quer adquirí-lo: a linguagem é simples, a história é engraçada e Dimitri, o personagem central desta odisseia verde-amarela, é calculadamente propenso ao inacreditável. . . Sobre o livro Dimitri Borja Korozec é filho de um sérvio anarquista com uma contorcionista brasileira. A liber Absolutamente imprevisível e cômica, Jô Soares mais uma vez acerta a mão e coloca no mercado uma obra obrigatória na literatura moderna brasileira. Também é um excelente livro para quem ainda não tem o hábito de ler, mas quer adquirí-lo: a linguagem é simples, a história é engraçada e Dimitri, o personagem central desta odisseia verde-amarela, é calculadamente propenso ao inacreditável. . . Sobre o livro Dimitri Borja Korozec é filho de um sérvio anarquista com uma contorcionista brasileira. A liberdade corre em suas veias e nos 12 dedos de suas mãos. Dimitri é o homem certo para eliminar líderes políticos. Para isso treinou e estudou exaustivamente na escola de assassinos mais conceituada do mundo: a organização terrorista Mão Negra. Ainda que a pontaria seja extraordinária, Dimitri sofre de um problema crônico: é desastrado. E é de uma forma sempre cambaleante e 'sem querer querendo' que o anti-herói participa ativamente de importantes episódios históricos e convive com estrelas como Mata Hari, Al Capone e Franklin Roosevelt. No Brasil, na tentativa desesperada e evitar o suicídio do então presidente Getúlio Vargas, Dimitri acaba por assassiná-lo, desencadeando, assim, fatos assombrosos na história nacional.

  13. 5 out of 5

    Diogo Jesus

    Jolly novel playing with real historical events and figures which sews the storyline of blumbsy, clumsy Dimitri Borja Korozec - the bastard (kind of unaware) son of the brasilian dictator Getúlio Vargas. A funny, easy way to acquire a taste for History while having a good laugh. This brasilian author, fat Jô, car enthusiast and famous presenter both in his home country and Portugal, blends humour with history telling almost masterfully. It is a light read. Thank you Cheng, for this gift, souvenir Jolly novel playing with real historical events and figures which sews the storyline of blumbsy, clumsy Dimitri Borja Korozec - the bastard (kind of unaware) son of the brasilian dictator Getúlio Vargas. A funny, easy way to acquire a taste for History while having a good laugh. This brasilian author, fat Jô, car enthusiast and famous presenter both in his home country and Portugal, blends humour with history telling almost masterfully. It is a light read. Thank you Cheng, for this gift, souvenir of a country, vacation and historical friendship.

  14. 5 out of 5

    Eloisa Chagas

    As 5 estrelas foram dadas tendo em vista o objetivo do livro, que é nos divertir. Isso ele faz muito bem, é divertidíssimo! Gosto muito de histórias que mesclam pessoas e acontecimentos verdadeiros com personagens e acontecimentos fantasiosos. Jô Soares acerta no ponto com esse livro. Além disso, temos uma ambientação super bem feita, como em todos os livros que já li do Jô, e um humor delicioso. Enfim, esse, com certeza, será uma releitura para daqui alguns anos em um feriado em que eu esteja prec As 5 estrelas foram dadas tendo em vista o objetivo do livro, que é nos divertir. Isso ele faz muito bem, é divertidíssimo! Gosto muito de histórias que mesclam pessoas e acontecimentos verdadeiros com personagens e acontecimentos fantasiosos. Jô Soares acerta no ponto com esse livro. Além disso, temos uma ambientação super bem feita, como em todos os livros que já li do Jô, e um humor delicioso. Enfim, esse, com certeza, será uma releitura para daqui alguns anos em um feriado em que eu esteja precisando dar umas risadas e me divertir um pouco.

  15. 4 out of 5

    Rafael Baggio

    Jô Soares soube unir ficção e realidade de forma magistral nessa obra. Com o ar cômico peculiar ao longo de toda a narrativa, O Homem que Matou Getúlio Vargas é uma ótima leitura, repleta de curiosidades históricas minuciosamente exploradas pelo autor. Em diversos momentos, provoca no leitor a sensação de estar diante de um “Forrest Gump” à brasileira. Extremamente recomendado.

  16. 4 out of 5

    Raiiteo

    O livro é um bem cansativo no começo, mas depois da página 50 mais ou menos a história dá uma engatada melhor e se torna uma leitura agradável. Onde a cada capitulo nos perguntamos qual vai ser a besteira cometida pelo personagem. Pois já sabemos que ele é um desastroso determinado a dar certo.

  17. 4 out of 5

    Felipe Athia

    O primeiro livro que li fora da escola no período escolar. Jô combina maravilhosamente elementos históricos com anedotas ficcionais, confundindo o leitor, deixando até uma dúvida sobre como os fatos poderiam ter ocorrido. Muito bom!

  18. 5 out of 5

    Oz. Silva

    Muito interessante

  19. 4 out of 5

    João Victor

    MELHOR LIVRO DE COMÉDIA QUE EU JÁ LI, OBRIGADO JÔ SOARES NUNCA TIVE DEPRESSÃO

  20. 4 out of 5

    Thiago Xavier

    Achei que seria um pouco mais engraçado. Mas a leitura é boa.

  21. 5 out of 5

    Marta Ch

    It is written in Portuguese from Brazil. This author is very intelligent. Fiction mixed with reality. From East European countries to Brazil in one period of political confusion.

  22. 4 out of 5

    Roberto

    Very fun reading, flowing easily. I recommend!

  23. 5 out of 5

    Iza

    O livro é fácil de ler, mas não prende a atenção e acaba tendo tantas referências históricas que vira uma “salada de fruta”.

  24. 5 out of 5

    Irmão Washington

    Muito rico em história e um grande clássico para os amantes da literatura nacional. Acredito que deve ser valorizado esse grande apresentador, comediante e escritor. Vale a pena essa leitura!

  25. 5 out of 5

    Allison

    This book is supposed to be funny, but it just reads like a Looney Tunes cartoon. All the "humor" is over-the-top slapstick physical comedy, with little authorial effort put into actual wit. This book is supposed to be historical, but it reads like the author Googled a few famous names from the time period and randomly inserted them into various chapters for little to no reason. The main character is somehow inexplicably a genius (who speaks every language and is a crack shot with every gun), an This book is supposed to be funny, but it just reads like a Looney Tunes cartoon. All the "humor" is over-the-top slapstick physical comedy, with little authorial effort put into actual wit. This book is supposed to be historical, but it reads like the author Googled a few famous names from the time period and randomly inserted them into various chapters for little to no reason. The main character is somehow inexplicably a genius (who speaks every language and is a crack shot with every gun), and ALSO a totally buffoonish, klutzy idiot caricature, making him feel like two totally separate people with the same name. He has no personality or even any reason for his fanaticism. He is just super talented at everything he ever tries, except for the thing he keeps trying to do. He has lots of opportunities to take that as a sign, choose a new profession better suited to his talents, and learn and develop as a character - but doesn't. He's frustrating and boring to read, the Gary Stu of assassins, which is a phrase I never thought I'd have cause to say. Nothing of importance ever happens in the plot, because he fails at everything he does. Except for have sex with women, which he does constantly, and we're told he's supernaturally good at it... this seems an extremely improbable "talent" for a man awkward and clumsy enough to get his fingers stuck in the trigger guard of a pistol. But the author tells us his character is a sex wizard, and goes into totally excessive detail about his various partners' nipples, so obviously it must be true. I'm not sure how extra fingers would make you any better at pleasing a woman, but what do I know about anatomy? I wasn't impressed, and if this is the author's idea of "a rip-roaring romp through history", I'll stick with the nonfiction, thanks.

  26. 4 out of 5

    Tony

    I have a weakness for picaresque novels, and so picked up this one about a Serbo-Brazillian anarchist assassin with great anticipation. It tells the story of Dmitiri, a 12-fingered boy with a gift for languages and a childhood in a Balkan circus at the start of the 20th century. Like Zelig (or Forest Gump, take your pick), he moves across continents and in and out of the fringes of history, a part of major events, but always just out of the frame, or slightly out of focus (quite literally -- the I have a weakness for picaresque novels, and so picked up this one about a Serbo-Brazillian anarchist assassin with great anticipation. It tells the story of Dmitiri, a 12-fingered boy with a gift for languages and a childhood in a Balkan circus at the start of the 20th century. Like Zelig (or Forest Gump, take your pick), he moves across continents and in and out of the fringes of history, a part of major events, but always just out of the frame, or slightly out of focus (quite literally -- the book is heavily illustrated with period photos). Despite his other gifts, Dmitri is a physical bungler, and his mishaps bend the course of history as he encounters such figures as Archduke Ferdinand, Mata Hari, Jean Jaurés, Marie Curie, Al Capone, George Raft, FDR, and Ferdinand Marcos. As quasi-historical fiction, it's fun stuff (especially delicious is a homicidal dwarf who pursues Dmitiri throughout the book), and Soares does a wonderful job weaving his earnest protagonist into history. However, the pratfalls do get a little repetitive over time -- even for a fan of the picaresque, and the book kind of runs out of steam just when it should be climaxing. Nonetheless, it has whet my appetite to track down the author's first book in translation, A Samba for Sherlock.

  27. 5 out of 5

    Lamski Kikita

    Dimo, of a Brazilian mother and Bosnian father, and a half castrati, leaves home as a teenager to fulfill his destiny, marked by the twelve fingers he was born with, to become as assassin: an anarchist assassin out to rid the world of tyrants. He goes down a path where at every turn he makes, murder and mayhem is left behind; but not by his hands, to his utmost disappointment. From causing World War I to Fargas' suicide, from Bosnia to Chicago, Dimitri comes oh so close to fulfilling his destiny Dimo, of a Brazilian mother and Bosnian father, and a half castrati, leaves home as a teenager to fulfill his destiny, marked by the twelve fingers he was born with, to become as assassin: an anarchist assassin out to rid the world of tyrants. He goes down a path where at every turn he makes, murder and mayhem is left behind; but not by his hands, to his utmost disappointment. From causing World War I to Fargas' suicide, from Bosnia to Chicago, Dimitri comes oh so close to fulfilling his destiny before someone else takes the prize. Beautifully written, this book is a history lesson with real events and real people, rewritten to tell the story of a confused romantic anarchist, with death on his mind, but which can never find its way to his clumsy twelve-fingered hands. An intensely fun read. Thank you Ronny for recommending this!

  28. 5 out of 5

    Tita

    O nosso protagonista é Dimitri Borja Korose, filho de uma brasileira e de um anarquista sérvio, com a particularidade de ter 2 dedos indicadores em cada mão, que se tornou um assassino,e vamos acompanhado a sua vida, quase em jeito de biografia. Mas, para além de assassino, é também desastrado e acaba por não conseguir concluir as suas "missões" com sucesso porque há sempre algo que lhe acontece. Ao longo dos anos, Dimitri cruza-se também com personalidades de renome, como por exemplo Mata Hari e O nosso protagonista é Dimitri Borja Korose, filho de uma brasileira e de um anarquista sérvio, com a particularidade de ter 2 dedos indicadores em cada mão, que se tornou um assassino,e vamos acompanhado a sua vida, quase em jeito de biografia. Mas, para além de assassino, é também desastrado e acaba por não conseguir concluir as suas "missões" com sucesso porque há sempre algo que lhe acontece. Ao longo dos anos, Dimitri cruza-se também com personalidades de renome, como por exemplo Mata Hari e Al Capone. E temos também acesso a excertos do seus diário e algumas fotografias, que tornam o livro um pouco diferente. No entanto, achei a história parva e sem jeito, pois "tudo acontece" ao Dimitri e mesmo as personagens com o qual se cruza, parece tudo forçado e sem grande lógica na história. Vejam também a minha opinião em vídeo, AQUI.

  29. 4 out of 5

    Joana

    A curiosidade sobre este livro era muito grande, pelo autor, humorista brasileiro famoso, pareceu-me o tema histórico interessante, e desde que estou no estrangeiro sinto ainda maior necessidade de ler livros em Português, ainda que fosse Português do Brasil. A leitura foi super fluída, e o livro é bastante divertido. A acção desenvolve-se em volta da personagem Dimitri, provavelmente o assassino a soldo mais desastrado do mundo. Como o título diz trata-se da sua bibliografia, e ao longo da sua A curiosidade sobre este livro era muito grande, pelo autor, humorista brasileiro famoso, pareceu-me o tema histórico interessante, e desde que estou no estrangeiro sinto ainda maior necessidade de ler livros em Português, ainda que fosse Português do Brasil. A leitura foi super fluída, e o livro é bastante divertido. A acção desenvolve-se em volta da personagem Dimitri, provavelmente o assassino a soldo mais desastrado do mundo. Como o título diz trata-se da sua bibliografia, e ao longo da sua vida vai encontrando personagens famosas, como Mata Hari, e vê-se envolvido em diversos acontecimentos históricos, sempre com desfechos inesperados. Foi sem dúvida uma leitura agradável.

  30. 5 out of 5

    Joe

    A tragicomedy for history nerds. This tale of the world's most charming and hapless assassin, Forrest Gump as a twelve-fingered Serbian-Brazilian anarchist out to rid the world of tyrants, is a rake gag of a book, and I suspect a lot of folks will find it repetitive. Personally I got a lot of laughs out of the journey of seeing how things would go sideways on Dimo this time. As it goes on there's also hints of a Panglossian figure sadly stuck on a dream that's never going to come true and giving A tragicomedy for history nerds. This tale of the world's most charming and hapless assassin, Forrest Gump as a twelve-fingered Serbian-Brazilian anarchist out to rid the world of tyrants, is a rake gag of a book, and I suspect a lot of folks will find it repetitive. Personally I got a lot of laughs out of the journey of seeing how things would go sideways on Dimo this time. As it goes on there's also hints of a Panglossian figure sadly stuck on a dream that's never going to come true and giving up everything good in life for it, as well as a subtle commentary on the power of the unremembered and nameless to impact history.

Add a review

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading...
We use cookies to give you the best online experience. By using our website you agree to our use of cookies in accordance with our cookie policy.